sábado, 4 de agosto de 2007

... o santo desconfia!

Olhei-me ao espelho pela milésima vez para me certificar que estava tudo no sítio. Ajeitei o cabelo, num trejeito habitual e decidi sair. Estava a entrar para o carro quando avistei aquela amiga que não via há séculos (e que haviam passado séculos por ela!). Dois dedos de conversa para aqui, gesticulações para acolá e em poucos minutos sabíamos a vida uma da outra.
Volto para o carro e rumo para o centro da cidade. Com o bom humor que estava, as coisas que, geralmente, são enfadonhas e triviais, tornaram-se num pretexto para sentir a agradável sensação de comprar algo para nós próprios. Ora então, entro na loja que faz o irritante Dlim-Dlim a anunciar um novo freguês e vejo uma simpática senhora, sorridente, a dirigir-se para mim.
- É o nosso cliente nº 5000! Parabéns, vai ter direito a uma peça grátis!
E eu, feliz da vida, a pensar que isto só acontecia em filmes!!! Lá fui escolher a peça com direito a embrulho e tudo! Quis pagar por uma questão de cortesia, mas não quiseram e não voltei a insistir!
Saio da loja, dou uns passos e eis que reparo num objecto brilhante no chão: 2 euros! Olho uns escassos metros à volta, a ver se alguém poderia ter deixado cair. Ninguém. Pego na moeda reluzente e meto ao bolso, satisfeita!
Decido ir lavar o carro. Estava cheio de pó das flores e eu gosto de tratar bem o meu Ferrari (risos). Chego ao local e preparo-me para tirar a moeda de 2 euros que tinha achado para colocar na máquina e reparo no letreiro: "Lave gratuitamente o seu carro e experimente a nova cera abrilhantadora!" Bem! Que poderia eu desejar mais? Volto a meter a moeda no bolso e começo a lavar o carro, cantarolando baixinho, qual musa lavadeira!
Já perto de casa, avisto o cafézito onde se registam os boletins para os chamados "jogos de azar". Ora, o dia estava a correr-me tão bem que decidi investir os 2 euros achados numa chave ao acaso.
Quando chegou a hora de ver os números da sorte (ou do azar), peguei no boletim e numa caneta e esperei atentamente.
- Olha! Tenho este... tenho este também! Oh meu Deus, já tenho um três! Ai... Quatro! CINCO!!!!! Quanto é que dá um 5???
E quando saiu o último número, houve uma paragem. Aquele instante em que temos a impressão que o universo pára, que nada se move, que estamos numa outra dimensão. Foi então que a minha mente acordou para a vida: hoje não é dia de euromilhões!
Abri os olhos, ensonada, com aquele torpor que o tempo quente proporciona e atirei a almofada para o lado.
- Logo via que isto só podia ser uma partida da mente! - Balbuciei entre dentes.

Quando a esmola é muita...

Não há dias assim! :p

5 comentários :

Mikas disse...

.. o pobre desconfia.

Beijinhos*

S.Cruz disse...

LOOOOOOOL

Pathy disse...

ADOREI!!!
=)

Su disse...

E eu já a pensar: "Esta cachopa tem uma sorte!". Afinal...

a esmola era mesmo demais!

LOL, mas só tu para a escreveres!

[*]

Ju disse...

Bom era mesmo bom nao era? Mas pronto contentavas-te so com uns miseros trocos do segundo ou nao ?

Va lá que a esmola ás vezes é muita e andamos sempre a desconfiar... mesmo quando estamos bem acordados ;)beijoca