sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Sem recordações



Foi com um misto de nostalgia e tristeza que olhou para o baloiço que costumava ser seu. Passou a infância a trepá-lo e fazer verdadeiros malabarismos e acrobacias. Foi junto àquele baloiço que conheceu o amor da sua vida e agora, agora apenas restavam as memórias esquivas que o tempo se encarrega de ir esbatendo.
- O que foi, avó?
- Nada, minha querida... Apenas senti o coração a bater mais forte quando olhei para aquele baloiço. Parece importante, mas não me consigo lembrar porquê...
A passear no seu próprio jardim, alheia ao que lhe pertencia por direito, continuou a caminhar em passos lentos, sorrindo para si, como se conseguisse viver sem o medo de não se lembrar.
Que haverá pior do que não ter recordações?

(história fictícia)

6 comentários :

Ju disse...

Fizeste-me chorar...
Senti isso algumas vezes, olhar para algo sentir o coração como que apertado, parecendo querer dizer alguma coisa, mas nao sabia o que pensar. Coisas de menina bem novinha... Se ainda agora sou jovem e já sinto isto, quanto mais quando estiver bem mais velhita e querer relembrar algo...
É um dos medos que me acompanha desde há muito tempo...

*

Nilson Barcelli disse...

Ao ver a fotografia também senti um aperto no coração...
Era ainda pequeno e não tinha muita prática no baloiço. Caí e parti a cabeça...
Ainda me dói...
Estou a brincar, eu era o campeão da minha rua no baloiço. Chegava quase à vertical e nunca dei um tombo.

Gostei do teu post (desculpa as brincadeiras...). Há quem diga que recordar é viver. Também acho, principalmente quando essas recordações são de coisas boas que nos aconteceram.

Bfs, bejinhos.

Nelson disse...

Afinal as lembranças também se sentem bem fundo!

borboleta disse...

A vida é feita de lembranças, pena que nem todos as consigam recordar...!

beijinhos** =)

Secreta disse...

Uma história ficticia , mas muito real.
Não deve haver maior tristeza do que a de n ter recordações . E infelizmente , existem casos desses.

Paula disse...

As recordações alimentam-nos a alma...
sobretudo as boas recordações...
as más...
é bom torná-las menos presentes nas nossas vidas

bjinhos