domingo, 22 de fevereiro de 2009

Carnaval



Pierrot.
Quando me perguntaram de que me queria vestir naquele carnaval, surpreendi ao dizer: «Quero ir de Pierrot!». Quando me perguntaram porquê, não soube responder. Tinha olhado apenas para um quadro que tinha no meu quarto. A suavidade das cores pastel, contrastavan com a tristeza do Pierrot. Havia ali algo de mágico, de cativante.
Um rosto branco com a famosa lágrima pintada. Gola aos folhos, vestuário branco. Sapatos e toca pretos. Não via qual a surpresa dos adultos. Era algo simples de fazer. Já tinha as serpentinas e as bolas de sabão. As pinturas tinha-as guardadas na caixa dos tesouros e a roupa a mãe, habilidosa, fazia-ma, com certeza, sem dificuldade alguma.
Mas a simplicidade de pensamento das crianças nunca é reconhecida. E lembro-me perfeitamente de me darem uma série de argumentos para não ir à Pierrot. O mais ilustrativo foi:
- Como é que tu, que gostas tanto da animação do Carnaval, queres vestir-te de uma coisa tão triste?
Convenceram-me.
Hoje, já conhecendo a origem do Pierrot e ainda me sentindo fascinada por essa personagem, ninguém me convenceria a não vestir-me como ele, nesta altura que já não me provoca nada, além de uma pontinha de nostalgia da infância que ficou lá para trás.

Para quem gosta: bom Carnaval!

sábado, 14 de fevereiro de 2009

4º aniversário


Faz hoje quatro anos que criei este blog :)

[E como hoje também se celebra o Dia dos Namorados, votos de um bom dia para todos.]

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Descobertas

Houve fases em que me senti perdida a nível vocacional. Aquela certeza de que poderia escolher qualquer área de estudo que seria bem sucedida, impedia-me de pensar, com discernimento, sobre aquilo que gostava mesmo (ou não) de fazer.
Quando olho para trás, não consigo deixar de pensar que perdi três anos da minha vida num curso que não me deu muito além de desilusão, e mais dois anos posteriores a fazer coisas totalmente diferentes para descobrir, finalmente, do que gostava de experimentar e exercer enquanto profissão. Por outro lado sinto que, se não tivesse passado por tudo isto, a esta altura estaria desempregada ou a recorrer a centros de explicação para garantir um ordenado miserável, exercendo tudo menos a docência propriamente dita, como eu imaginava...
Ao fim destes quase três anos em Psicologia experimental, sinto-me renovada e esperançada em relação ao futuro. Conheço muitos psicólogos desempregados, conheço a realidade do país, mas continuo convicta de que vou conseguir fazer o que gosto. E fazer o que gosto passa pela psicologia forense, pela investigação, pelo contributo à ciência. Se não tivesse passado por tudo o que passei estes anos, não teria conhecido os profissionais fantásticos que conheço, nem teria tido a oportunidade de trabalhar num laboratório de psicologia. Quando penso nisto, não posso deixar de me sentir uma privilegiada.
Demorei a descobrir, mas descobri que uma das minhas vocações é compatível com a minha maneira de ser e estar na vida, com a minha ambição de absorver tudo o que diga respeito ao ser humano (e, meu deus, quanta coisa tenho vindo a aprender!) e com a felicidade de fazer aquilo que realmente gosto. Ainda tenho um longo caminho a percorrer até chegar obter a minha especialização. Mas depois disso, sinto que vou ter o mundo aberto para me receber...

Estarei a sonhar?

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Ai...


... nunca pensei que o Paraíso tivesse tanto pó!

Andei a fazer visitar todos os cantinhos que tinha nos meus links e, sem muita surpresa, verifiquei que grande parte deles já não existem ou simplesmente estão inactivos.

Visitei todos sem excepção, mas não comentei em todos. Em breve, a minha presença será mais regular :) Não é que agora, de um momento para o outro, tenha conseguido arranjar tempo. Mas consegui uma fórmula mágica (não, não a partilho!) para haver tempo para tudo, incluindo estas partilhas de vivências.

Confesso: já tinha saudades vossas e de vos visitar. Estes últimos dois anos passei-os sem grandes textos e sem dar (muitas) notícias. Muita coisa se passou, como é natural :)

Resolvi renovar o Paraíso. Ao invés de ser um blog só de textos adornados da minha realidade, vai passar a ser também o meu espaço de reflexões e estados de humor crus. Claro que os meus textinhos terão lugar mas agora não vão estar sós.

Obrigada por ainda se lembrarem da Laura, a eterna Cakau deste mundo blogosférico!
Beijinhos a todos!

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Regresso


Sim: aleluia! Quem é vivo sempre aparece, não é verdade?
Tomei a decisão de voltar a dar vida e cor ao meu Um Paraíso no Inferno.

Depois do pó limpo e da aparência renovada, é caso para dizer: sinto-me nascido a cada momento, para a eterna novidade do mundo (Alberto Caeiro).

Estou pronta para regressar.