domingo, 28 de fevereiro de 2010

Estará o nosso planeta a gritar-nos?

Em apenas dois meses, entraram notícias horrendas pelas nossas casas. Sismos, tempestades, tsunamis. Destruição total. Perdas inestimáveis.
Emociono-me só de pensar que, neste preciso momento, em que escrevo estas palavras desprovidas de magia, alguém não tem onde dormir [alguém não consegue sequer dormir]. Alguém perdeu quem amava. Alguém perdeu tudo o que alcançou com muito trabalho e dedicação. A perda, por si só, já é arrasadora. Imagino o quão destruidora é, quando lhe damos significado, quando por detrás dela se encontram inúmeros sacrifícios.

Tenho-me mantido em silêncio a ouvir outros dizerem que o inverno é assim mesmo, rigoroso. Não sei se é por ignorância que o dizem. A verdade é que fico, muitas vezes, a olhar para a televisão, completamente petrificada com as barbaridades que nos fazem ecoar nos ouvidos.

Sinto-me pequenina no meio de todos estes acontecimentos. Se o mundo acabasse amanhã, não sei o que faria para impedi-lo. Mas sei que para adiar esse fim, sou capaz de tudo. A começar por proteger o nosso planeta. Coisa que em pleno século XXI nem os nossos políticos o fazem. Esses preferem-nos na ignorância. Se não formos nós a pesquisar por nós próprios, não passamos de marionetas.
Depois de tanta tinta corrida, a única questão que coloco é: estaremos nós preparados para uma catástrofe?

A resposta é não.

Estará o nosso planeta a advertir-nos? A gritar-nos?