sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Bancos de jardim


A figura quase paternal dizia-lhe num tom monocórdico e áspero:
- Há um caminho sinuoso a percorrer. Um caminho que nos faz verter muitas lágrimas, que abre muitas feridas, que deixa cicatrizes profundas no corpo e na alma. Que nos faz sentir vulneráveis e nos faz esconder sob uma capa de frieza tão frágil quanto nós.
- E para onde vamos? Quando sabemos que o nosso caminho terminou?
Ele encarou-a perplexo e proferiu:
- Não termina. Quando estiveres cansada, a vida proporciona-te uma pausa: a morte.
- E se me cansar antes?
- Aproveita todos os bancos que encontrares e senta-te. Neles, muitas pessoas se sentaram para recuperar forças ou simplesmente refletirem.
Ela sentou-se. E ali ficou. Indeterminadamente.

Imagem de Jonathan Glover.

Sem comentários :